Após um longo dia caminhando por estradas sinuosas nas montanhas, Elcana e a família chegaram perto de Silo, no topo de uma colina cercada por montes. Podemos imaginar Ana meditando profundamente sobre o que diria a Jeová em oração. Ao chegar, a família tomou uma refeição. Assim que pôde, Ana se separou do grupo e foi ao tabernáculo de Jeová. O Sumo Sacerdote Eli estava lá, sentado perto da porta. Mas a atenção de Ana estava em seu Deus. Ali no tabernáculo ela tinha certeza de que seria ouvida. Mesmo que mais ninguém pudesse entender o que ela estava passando, seu Pai celestial podia. Toda a angústia de Ana veio à tona, e ela começou a chorar.
Soluçando muito, Ana orou silenciosamente a Jeová. Seus lábios tremiam ao passo que pensava nas palavras certas para expressar sua dor. Ela fez uma longa oração, abrindo o coração ao seu Pai. Mas fez mais do que apenas pedir a Deus que realizasse seu forte desejo de ter filhos. Ana não queria só receber bênçãos de Deus, mas também queria lhe dar o que podia. Assim, fez um voto dizendo que, se tivesse um filho, ela o entregaria para servir a Jeová por toda a vida. — 1 Sam. 1:9-11.
No que se refere à oração, Ana foi um exemplo para todos os servos de Deus. Jeová bondosamente convida seus adoradores a abrir o coração a ele e expressar todas as suas preocupações, sem reservas, como faria um filho que tem um pai amoroso. (Leia Salmo 62:8; 1 Tessalonicenses 5:17.) O apóstolo Pedro foi inspirado a escrever estas palavras consoladoras: ‘Lancem sobre ele toda a sua ansiedade, porque ele cuida de vocês.’ — 1 Ped. 5:7.

E DEUS ATENDEU O PEDIDO DE ANA…

CurtirMostrar mais reações

Comentar